You are currently browsing the monthly archive for setembro 2009.

maome

Muhammad (Maomé) (figura) nasceu na cidade de Meca no ano de 570. Filho de uma família de comerciantes, passou parte da juventude viajando com os pais e conhecendo diferentes culturas e religiões. Aos 40 anos de idade, de acordo com a tradição, recebeu a visita do anjo Gabriel que lhe transmitiu a existência de um único Deus. A partir deste momento, começa sua fase de pregação da doutrina monoteísta, porém encontra grande resistência e oposição. As tribos árabes seguiam até então uma religião politeísta, com a existência de vários deuses tribais.  Maomé começou a ser perseguido e teve que emigrar para a cidade de Medina no ano de 622.

O Alcorão é um livro sagrado que reúne as revelações que o profeta Maomé recebeu do anjo Gabriel. Este livro é dividido em 114 capítulos (suras). Entre tantos ensinamentos contidos, destacam-se: onipotência de Deus (Alá), importância de praticar a bondade, generosidade e justiça no relacionamento social. O Alcorão também registra tradições religiosas, passagens do Antigo Testamento judaico e cristão. A outra fonte religiosa dos muçulmanos é a Suna que reúne os dizeres e feitos do profeta Maomé.

Todo muçulmano deve seguir cinco princípios:

Aceitar Deus como único e Muhammad (Maomé) como seu profeta;
Dar esmola (Zakat) de no mínimo 2,5% de seus rendimentos para os necessitados;
Fazer a peregrinação à cidade de Meca pelo menos uma vez na vida, desde que para isso possua recursos;
Realização diária das orações;
Jejuar no mês de Ramadã com objetivo de desenvolver a paciência e a reflexão.

Existem três locais sagrados para os muçulmanos:

A cidade de Meca, onde fica a pedra negra, também conhecida como Caaba.

A cidade de Medina, local onde Maomé construiu a primeira Mesquita (templo religioso dos muçulmanos).

A cidade de Jerusalém,  local onde o profeta subiu ao céu e foi ao paraíso para encontrar com Moises e Jesus.

A migração  muçulmana de turcos e afegãos que se colocaram ao abrigo da bandeira verde do Profeta aconteceu no noroeste do subcontinente asiático; os migrantes se instalaram  no Vale do Indo. Estes invasores, graças à destreza militar, conseguiram impor-se frente às forças dos reis e marajás indianos apoiados por elefantes Em três séculos, a presença dos muçulmanos no norte e no nordeste da Índia tornou-se forte e  irreversível.

Muitas são as cidades indianas com considerável população muçulmana, entre elas a capital Delhi e a capital do estado de Andhra Pradesh – Hyderabad. O norte da Índia tem uma enorme população islâmica.

Anúncios

mahavira

Vardhamana, mais conhecido como Mahavira (“Grande Herói” em sânscrito) é considerado o fundador ou reformador do Jainismo.   A origem do Jainismo remonta à Índia do século VI a. C.

Em sua origem, o Jainismo constituiu, ao lado do Budismo, uma vertente surgida no período das heterodoxias decorrentes da tradição bramânica na Índia. No decorrer de sua existência, a religião separou-se em duas vertentes: a Svetambara, que segue os cânones das escrituras que contêm os sermões e diálogos de Mahavira; e a Digambara, que acredita que os ensinamentos originais foram perdidos, mas a mensagem original é preservada.

Os textos sagrados do Jainismo são: os Culika-sutras, que se dirigem à natureza da mente e do conhecimento; os Chedra-sutras, que contêm as regras do ascetismo para os monges jainistas; o Ágama, texto especificamente seguido pela vertente Svetambara; este texto é considerado como uma coleção de diálogos do próprio Mahavira.

Mahavira ensinou que os humanos podem se libertar das partículas que se agregam às suas almas, seguindo uma vida de ascetismo extremo; esta é uma crença atual da religião. A tradição afirma que mahavira  recomendou aos seus adeptos que fizessem cinco votos (mahavratas), que são os seguintes:

Ahimsa – não causar mal ou sofrimento a qualquer ser (não-violência);

Satya – evitar a mentira;

Asteya – não se apropriar do que não foi dado;

Brahmacharya – não faltar à castidade;

Aparigraha – não se apegar às posses materiais; não ter apego pelas coisas mundanas.

 

sikhs

O sikhismo é uma religião monoteísta que surgiu no século XV no Punjab (região que é dividida por Paquistão e Índia) e  foi fundada pelo Guru Nanak. Basicamente, é uma religião com sincretismo de elementos provenientes do hinduísmo e do islamismo.

O sikhismo coloca ênfase em três deveres, descritos como os Três Pilares do sikhismo:

Manter Deus presente na mente em todos os momentos (Nam Japam);

Alcançar o sustento através da prática de trabalho honesto (Kirt Karni);

Partilhar os frutos do trabalho com aqueles que necessitam (Vand Chhakna).


O rito principal é o da admissão entre os khalsa, fraternidade dos “puros”, geralmente celebrado na puberdade.

Os homens seguram o cabelo com um turbante (que pode ser branco ou de cor), enquanto que as mulheres utilizam um lenço. Aqueles que cortaram o cabelo ou a barba são chamados pelos ortodoxos de  patit, isto, é “decaídos” ou “renegados”.

O principal templo sikh, Harimandir Sahib – o Templo de  Ouro, está localizado em Amritsar – (Foto); ele é um centro de peregrinação.  Uma intervenção de tropas indianas ordenada por Indira Gandhi no início da década de 1980 levou à revolta dos sikhs e ao assassinato da primeira-ministra indiana em1984 pelo seu guarda-costas pessoal que era Sikh.

 

buda

Algumas pessoas não sabem, mas Buda (Siddhartha Gautama) nasceu na Índia e o Budismo teve sua origem no nordeste do país entre os séculos VI  e IV a.C.  A partir do século XII, o Budismo entra em declínio na Índia devido a vários fatores, principalmente, pela a rivalidade com o Hinduísmo e pelas invasões dos muçulmanos durante os séculos XII e XIII. No Brasil, para quem tem interesse, há diversos centros budistas com diferentes Lamas para que as práticas religiosas sejam realizadas.

http://www.caminhodomeio.org/

http://www.cebb.org.br/

http://www.budismotibetano.org.br/

http://kl.chagdud.org/

Cabine interna do Second Class no trem

Ir à Índia e não viajar de trem é impossível. A maior malha ferroviária do mundo se encontra na Índia. Os trens são divididos em classes: General Class, Second Class, 3rd AC Class, sendo que essa última é a mais cara e confortável, com ar-condicionado, coberta e travesseiro.

O indiano viaja, na sua maioria, na second class (foto) e que foi a que escolhi para fazer todas as minhas viagens pela Índia. Barato, confortável e  permite  visualizar a paisagem;  a second class é uma boa maneira de economizar dinheiro e conhecer o país.