You are currently browsing the monthly archive for julho 2009.

O constraste sanitário das enfermeiras com o ambiente

No meio do caos e da sujeira de Vizag, as enfermeiras caminham com seus uniformes intactos e imunes à sujeira e contradiçoes do ambiente. Ainda me questiono “como é possível”?!

Anúncios

 

 

 

 

 

 

 

DSC04051

Moradoras de Devarapalli, cidade localizada próximo a Vizag e local da maioria das entrevistas com as meninas empregadas domésticas menores de idade do projeto que executei.

Vendedora de milho na praia - milho cozido no carvão na hora

Diferentemente do Brasil, o milho na praia é vendido na calçada e assado na brasa, no entanto, continua sendo uma delícia!

Na foto anterior os homens estão pendurados para fora do ônibus, pois como a Índia é um país muito populoso, os transportes urbanos não conseguem atender a demanda. A maior curiosidade, no entanto, é como a maioria dos ônibus não para nos pontos de ônibus, ou seja, as pessoas precisam sair correndo atrás do ônibus e se pendurar no lado de fora! Se você for mulher ou criança, existe a possibilidade, talvez, do ônibus parar para você subir.

Existe, também, uma divisão dentro dos ônibus, ou seja, na parte da frente são as mulheres que sentam e, no fundo, ficam os homens. Não existe catraca; um homem passa pelo ônibus cobrando a tarifa.

Homens correm para pegar o ônibus e na maioria ficam para fora pela quantidade de pessoas.

Por quais razões esses homens estão pendurados para fora do ônibus???

Na foto me encontro em Nova Delhi – capital da Índia; esta foto foi tirada perto do edifício do secretariado que abriga diversos ministérios do governo indiano; é também nessa região que está localizada a Casa do Parlamento. O local é conhecido como “Praça dos Poderes”.

Quadra dos poderes indianos - parlamento indiano em Nova Délhi.

Em que  local foi tirada essa foto??

Gangesmapfull-1-9dd5923540

O rio Ganges é pronunciado como Ganga pela maior parte dos indianos. Ele   nasce no norte da Índia e segue até Bangladesh, ou seja, de sentido norte – nordeste indiano. Ele  faz parte dos sete rios sagrados que descem da Cordilheira do Himalaia.  Os hindus se banham em suas águas porque acreditam que ele tem o poder de purificação dos pecados. De acordo com a mitologia  hindu, o rio nasceu dos cabelos de Shiva – o Deus destruidor, mas que, após a destruição, sempre constrói algo novo. Shiva é um dos Deuses mais venerados e faz parte da tríade dos mais sagrados Deuses do hinduísmo: Vishu, Brahma e Shiva.

Os indianos de qualquer região, não importa qual seja, se próxima ou distante, quando morre alguém, após a sua cremação, levam as cinzas até alguma parte do rio Ganges para que a alma seja purificada. Geralmente eles levam à cidade de Varanasi ,  nordeste indiano. Essa cidade é famosa por ser a parte do rio mais utilizada para esse fim, por isso a água é extremamente suja nessa região. Mesmo assim, o povo utiliza a água do rio para lavar roupa, tomar banho e até mesmo para beber. Na nascente do rio Ganges, ao norte da Índia, a água é muito limpa e transparente; ela vai se tornando poluída na medida em que o rio passa pelas cidades e vilas.

Holi Festival

 

O festival  Holi é celebrado sempre no final de Fevereiro/início de Março marcando o início da primavera e, assim é o festival das cores. Todos se jogam tintas e a Índia fica totalmente colorida. Foi o primeiro festival que participei na Índia logo quando cheguei em 2006, nessa foto em questão estou com amigos indianos repletos de tinta.

O caráter histórico do festival, no entanto, remete ao Rei Hiranyakashyap que queria que todos em seu reino o venerassem, mas foi seu filho Prahlad que venerava outra entidade – Lord Naarayana. Hiaranyakashyap combinou com sua terrível irmã Holika, que tinha o poder de não se queimar, que ela entraria em uma fogueira com Prahlad em seus braços para matá-lo. Mas Holika se deu mal porque ela não sabia que o seu poder de enfrentar o fogo seria anulado quando ela entrasse na fogueira acompanhada de outra pessoa.  O festival, desse modo, celebra a vitória do bem contra o mal e o triunfo da devoção.

Shanti cozinhando no chão da cozinha

Essa é uma empregada doméstica menor de idade que trabalhava na casa de uma amiga minha. Para aqueles que leram ou ainda vão ler o livro é essa a menina que relato em uma passagem sobre uma “escravidão em pleno século XXI”. 

Nessa foto a empregada doméstica está picando os legumes no chão sobre o jornal – praticamente bem comum na Índia. O jornal para os indianos têm diversas funções, inclusive de “toalha” para colocar comida em cima e, também para enrolar comidas como a nossa sacola plástica diária.